sexta-feira, 12 de abril, 2024

Logo Jornal Folha do Araguaia

Gás de cozinha de Mato Grosso é o mais caro do Brasil

Sorriso é a cidade com o botijão mais caro no Estado, no valor médio de R$ 66,50
Por
| Atualizado em 30/11/-0001 às 00h00

Levantamento realiza­do pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natu­ral em Biocombustíveis (ANP) aponta que o gás de cozinha (botijão de 13 quilos) é vendido no Estado por uma média de R$ 61,11, uma diferença de 47,07% se comparado ao valor do produto comercializado na Bahia, de R$ 41,55, o menor preço do país. 

O 2º maior valor no ran­king nacional está no Amapá, onde os consumidores pagam R$ 59,86 pelo botijão.

O presidente Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (Sinergás MT/MS/GO), Zenildo Dias do Vale, explica que a carga tribu­tária de Mato Grosso é a maior do país.

Soma-se a essa condição a distância de origem do GLP, que sai do estado de São Paulo e atravessa Goiás para chegar a Mato Grosso.

De forma mais deta­lhada, o preço médio que o consumidor paga (R$ 61,11) inclui o imposto embutido pago à Petrobras e repassado ao cliente ao valor médio de R$ 8 a R$ 9.

Existe também a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que juntos equivalem a R$ 10,50 pagos, é claro, pelo consumidor. Em seguida tem o frete, que na ponta custa em média R$ 7. 

Diante de tantas tarifações, o presidente Zenildo avalia que o botijão ainda está sendo vendido barato no Estado.

Quem discorda dessa perspectiva é o dono de padaria, Robson Vargas de Brito, 26. Há 2 anos à frente do empreendimento em Cuiabá, ele diz que desembolsa aproximadamente R$ 1,8 mil por mês para manter o abastecimen­to de gás. 

Com a rotina que co­meça às 6h e encerra às 18h, ele diz que não tem como economi­zar no consumo de gás, por ser produto essencial para fabricação dos alimentos que ele vende.

“Infelizmente precisamos repassar nosso gasto com gás para nossos clientes, se fosse mais barato poderíamos fazer preços mais em conta”. 

Já o dono de revenda de gás, Alôncio Aparecido, 25, alerta que no­vo aumento será feito em setembro, quando empresas corrigem a folha de pagamento. “Isto sig­nifica que o gás pode ficar até R$ 2 mais caro”.

Preços municipais

Sorriso é a cidade com o gás de cozinha mais caro no Estado, vendido ao pre­ço médio de R$ 66,50. Em seguida está Alta Flo­resta (R$ 65,00), Cuiabá (R$ 62,04), Várzea Gran­de (R$ 61,13), Sinop (R$ 59,79), Rondonópolis (R$ 59,75) e Cáceres (R$ 52,33).

 

Fonte: Querência em Foco com GAZETA DIGITAL

PUBLICIDADE

No data was found